9 curiosidades da Oktoberfest de Munique

Especialista em cerveja nascido em Blumenau expõe sua visão e a história da festa alemã

Não parece tarefa fácil carregar tantos "masskrugs", cena que é uma das marcas da Oktober de Munique (Foto: Doug Merlo)

Não parece tarefa fácil carregar tantos "masskrugs", cena que é uma das marcas da Oktober de Munique (Foto: Doug Merlo)

Como muitos de vocês já sabem, a Oktoberfest de Munique (o maior evento cervejeiro do mundo) dispensa apresentações, mas às vezes é esnobada por apaixonados e defensores da cerveja artesanal. Mesmo ocorrendo em uma das maiores superpotências cervejeiras do mundo, a Oktoberfest de Munique não é considerada um ponto de referência para as cervejas artesanais, é uma manifestação onde se bebe e se festeja, sem se preocupar muito com aquilo que se tem no copo. (Para acompanhar o calendário das Oktoberfests, consulte o roteiro da Beer Art)

Todas as cervejas presentes na Oktoberfest são produzidas pelas 6 principais cervejarias de Munique, que às vezes podem parecer com algumas produções industriais, sempre respeitando a Lei da Pureza alemã. Mesmo assim, mantém seu fascínio, e por meio desse artigo vamos descobrir 9 curiosidades dessa magnífica festa.

1 - A fama da Oktoberfest é sempre confirmada pelo grande número de visitantes (mais ou menos 6 milhões por edição). O recorde foi em 1985, com pouco mais de 7 milhões de pessoas − numa época em que a Alemanha ainda estava dividida entre Oriental e Ocidental.

2 - Um dos pontos característicos da Oktoberfest de Munique são os grandes pavilhões das cervejarias, com milhares de assentos (mais ou menos 10 mil). The Oxford Beer Companion afirma que a maior tenda é a da Spaten, com cerca de 6 mil assentos cobertos e 4 mil descobertos, seguida da Hofbrau, com 6.898 cobertos e 3.022 descobertos.

3 - Todas as cervejas são servidas no clássico Masskrug, copo de 1 litro que nos faz recordar muito a Alemanha. Para os garçons e garçonetes, levar esses copos até as mesas com certeza não é fácil, sobretudo devido ao peso e à quantidade de pessoas nos pavilhões. Mas neste ano foi estabelecido um novo recorde: um garçom conseguiu levar 27 masskrug cheios e servi-los.

4 - A Oktoberfest nasceu em 2 de Outubro de 1810, para celebrar o casamento do príncipe Ludwig da Baviera. As celebrações, na qual foram convidados todos os cidadãos, teve um sucesso tão grande, que se decidiu repetir a festa todo ano em comemoração ao aniversário de casamento do príncipe. Obviamente a cerveja foi protagonista desde o começo, virando em poucos anos o principal elemento da festa.

5 - Na Oktoberfest de Munique, são aceitas somente as cervejas das 6 principais cervejarias de Munique: Augustiner, HB, Spaten, Lowenbrau, Paulaner e Hacker-Pschorr. No passado houve muitas reclamações e protestos devido a esse “vínculo”, levando a questão a ser discutida nos altos poderes do Reino da Baviera. O príncipe Leopoldo da Baviera, proprietário da cervejaria Kaltenberg, tentou de todas as maneiras colocar os seus produtos na Oktoberfest. Mas a tradição resistiu até mesmo às pressões da realeza, e o príncipe teve de aceitar as regras.

6 - De 1810 até hoje a Oktoberfest foi cancelada somente 24 vezes, devido a conflitos mundiais, epidemias, inflação ou por outras razões. Em 1946 e 1947, logo depois da II Guerra Mundial, foram organizadas duas edições não oficiais, consideradas ilegais.

7 - A fama da cerveja alemã baseia-se também sobre os seus preços acessíveis. Mas a Oktoberfest é uma exceção, sendo considerado um dos lugares onde a cerveja local tem o preço mais elevado (mais ou menos € 9 o litro).

8 - Tradicionalmente as cervejas servidas durante a Oktoberfest são do estilo Marzenbier, também chamada de Oktoberfestbier, mas neste último termo pode ser usado somente pelas cervejarias participantes da festa, enquanto as outras cervejarias usam um termo mais genérico: Festbier. Obviamente esse estilo de cerveja é produzido no mundo todo, tanto que o maior produtor do mundo desse estilo não é nem alemão. A cervejaria americana Samuel Adams produz a Octoberfest, produção maior do que qualquer outra Märzen alemã.

A americana Samuel Adams tem a Octoberfest, com produção maior do que qualquer outra Märzen alemã

A americana Samuel Adams tem a Octoberfest, com produção maior do que qualquer outra Märzen alemã

9 - “O'Zapft is!” é a exclamação feita pelo prefeito de Munique no momento da abertura da festa. É uma frase em dialeto bavarese que quer dizer: “Foi aberta!”.

Por todas essas e outras razões a Oktoberfest de Munique é um evento para ser visitado pelo menos uma vez na vida.


*O autor

Douglas com o tradicional copo da festa alemã (Foto: Arquivo Pessoal)

Douglas com o tradicional copo da festa alemã (Foto: Arquivo Pessoal)

Nascido em uma das cidades mais cervejeiras do Brasil (Blumenau), Doug Merlo morou por oito anos na Europa, onde se diplomou sommelier pela Associação Italiana de Degustadores de Cerveja (ADB) e Mixologista pela Associação Italiana de Barmans e Sustentadores (Aibes). Mixologista, sommelier de cervejas, professor e empreendedor, Doug Merlo também compartilhou o seu talento em algumas receitas adotadas por cervejarias estabelecidas, como o caso da Schornstein Witbier, receita campeã no Concurso Nacional de Cervejas 2014, e com a Barleywine que desenvolveu para a cervejaria Leopoldina e conquistou medalha de ouro no Concurso Brasileiro de Cervejas, em Blumenau, em 2019. Mais recentemente ele também passou a se dedicar a outra bebida que desperta paixão no Brasil, o café, com a abertura da Blumenau Coffee Roasters. Mas a ligação com a cerveja é tão intensa, que durante o Festival Brasileiro da Cerveja, em 2019, a empresa lançou uma colaborativa com a Maniba, de Novo Hamburgo (RS), uma cerveja com adição de lactose, doce de leite e café, uma Imperial Pastry Coffee Stout.