Os segredos das cervejas premiadas

Confira as dicas de cervejeiros que conquistaram reconhecimento em concursos

As premiações representam para as cervejarias oportunidades de maior visibilidade e reconhecimento (Foto: Divulgação)

As premiações representam para as cervejarias oportunidades de maior visibilidade e reconhecimento (Foto: Divulgação)

SARAH BUOGO

Com a expansão do mercado cervejeiro, cresce também o interesse das cervejarias brasileiras em participar de concursos. Os rótulos enviados para as competições passam por análises criteriosas de juízes que avaliam a qualidade do produto. As marcas premiadas, além de medalhas, ganham maior destaque junto aos consumidores.

Com o objetivo de conhecer a experiência de quem tem história em concursos, conversamos com representantes de quatro cervejeiras brasileiras: Dádiva, de Várzea Paulista (SP), Pratinha, de Ribeirão Preto (SP), Tupiniquim, de Porto Alegre (RS), e Wäls, de Belo Horizonte (MG). Elas foram destaque, em 2018, pela premiação nos concursos: Concurso Brasileiro da Cerveja (nacional), Copa Cervezas de América (continental), e World Beer Cup (internacional).

Muito além das medalhas

Ganhar medalhas é sempre motivo de comemoração, mas esta não é o principal razão que leva as cervejarias a inscreverem seus rótulos nas competições. Elas buscam uma avaliação técnica e qualificada. Como destaca a sócia-fundadora da cervejaria Dádiva, Luiza Lugli Tolosa:

"Muitos concursos devolvem uma ficha de avaliação das cervejas, feita por jurados que conhecem muito sobre o assunto. Então, esta é uma ótima forma de recebermos um feedback dos nossos produtos".

A Dádiva levou 1º Lugar no Best of Show Comercial do Concurso Brasileiro da Cerveja, realizado em Blumenau (SC), com a Dádiva Dark Sour.

Os principais concursos cervejeiros reúnem juízes de diferentes países, reconhecidos internacionalmente. São profissionais com grande experiência no mercado e nos processos de fabricação. Eles entregam a análise levando em consideração a qualidade da cerveja, o enquadramento no estilo e, em alguns casos, sugerem melhorias para produção.

Competir com cervejas de alto nível também é um fator motivador da presença em concursos. Como lembra o cervejeiro da Wäls, Roberto Leão que, assim como a cervejaria Tupiniquim, conquistou medalha de ouro no World Beer Cup, considerado o mundial da cerveja:

"Os concursos reúnem as melhores cervejarias e cervejas do mundo. Sempre foi um sonho nosso estar presente nesse hall. Trazem um certificado a mais da qualidade dos nossos líquidos e nos fazem acreditar que estamos no caminho certo".

A Wäls ganhou ouro no World Beer Cup 2018, realizado em Denver (Colorado, EUA), com a Wäls Brut e foi eleita a melhor cervejaria americana na Copa Cervezas de América 2018, realizada no Chile.

Visibilidade e reconhecimento

A premiação representa para as cervejarias oportunidades de maior visibilidade e reconhecimento. As medalhas servem de referência para o consumidor na hora de escolher a bebida.

"Aguça a curiosidade do consumidor para experimentar a cerveja premiada. Ficamos muito felizes pelo reconhecimento do trabalho que estamos fazendo há 5 anos. Trabalhar com barricas é algo bastante difícil, blendar cervejas mais ainda. O prêmio (de melhor cerveja em Blumenau) representou um dos melhores momentos da Dádiva em 2018", destaca Luiza.

A fórmula do sucesso

São muitos os fatores que levam uma cerveja a receber um prêmio. No entanto, alguns pontos são unanimidade na visão de quem já passou por essa experiência mais de uma vez. Estudo, trabalho, persistência e domínio sobre as regras do concurso, estão entre os destaques.

Com mais de 100 medalhas na bagagem e a prática de quem participa de competições desde 2014, Christian Bonotto, cervejeiro da Tupiniquim, destaca o conhecimento do próprio produto como um fator determinante:

"Para ter uma cerveja premiada tem que ter muito empenho e controle sobre os processos que envolvem a cerveja. Sempre estar melhorando sua qualidade. Participar, estudar e entender as cervejas que estão no mercado são as minhas dicas. Procure sempre aprimorar as suas cervejas", recomenda.

A Tupiniquim conquistou ouro no World Beer Cup 2018, com a Tupiniquim Pecan Imperial Stout.

Luiza Tolosa, da Dádiva, fala que os critérios de avaliação de cada concurso merecem atenção:

"Participar de concursos tem uma etapa que nem todo mundo lembra quando começa a participar: enquadrar a sua cerveja no estilo correto. Os concursos geralmente seguem os guias de estilo do BJCP (Beer Judge Certification Program) ou do BA (Brewers Association). Cada um deles tem descrições e classificações para cada estilo. Por exemplo, se você tem uma IPA no seu portfólio, você precisa identificar se ela é uma American IPA, English IPA, NE IPA. Isso sem falar em relação ao teor alcóolico (Session, IPA, DIPA). Ao inscrever uma cerveja é importante identificar a categoria correta na qual ela deve ser julgada.

A Dádiva participa de competições desde 2015.

Com a visão de quem participa de concursos desde 2012, o cervejeiro da Wäls, Roberto Leão também destaca que identificar o estilo é fator relevante para um bom resultado:

"O segredo para ter cervejas premiadas é simples: trabalho e estudo. E, claro, ter padrões de qualidade rigorosos e uma equipe apaixonada pelo que faz, trabalhando sempre com segurança. Seguindo esses passos, os prêmios e o reconhecimento vêm junto com a dedicação. É importante seguir à risca as regras da instituição organizadora, estudando o regulamento do concurso a fundo. Ler e explorar cada categoria para encaixar a cerveja correta. Muitas vezes as cervejas são colocadas em categorias erradas e perdem, apesar de serem ótimas".

Além do cuidado com a categoria, o diretor da cervejaria Pratinha, José Virgilio Braghetto Neto, ressalta a auto-crítica, o cumprimento dos prazos e o envio dos rótulos:

"Estudo, técnica, matéria-prima, cuidado, repetição. Existem diversos fatores que fazem de uma receita campeã, é preciso estar muito atento a cada uma das coisas. Estude sua cerveja. Beba de olhos fechados e com o coração guardado. Prove e avalie se ela está sem defeitos, se está equilibrada e qual é a melhor categoria para fazer a inscrição, é preciso auto-crítica. Depois estar atento a datas de inscrição e envio e todo cuidado que o processo pede".

A Pratinha foi eleita em 2018 a melhor cerveja americana com a La Culotte De La Duchesse, na Copa Cervezas de América 2018.

Cronograma de concursos

Para facilitar o planejamento das cervejarias que vão participar de concursos em 2019, a Beer Art preparou um calendário das competições mais respeitadas, com as informações já confirmadas e o período em que ocorrem ao longo ano acesse aqui.