Cervejeiros caseiros brasileiros trazem medalha inédita dos EUA

Time de 4 homebrewers conquista ouro na National Homebrew Competition com uma 'Ryewine'

Da esquerda para a direita: Mauro Manzali Bonaccors, Danny Mattos, Jonas Geiss e Marco Antônio Lemos (Foto: Divulgação)

Da esquerda para a direita: Mauro Manzali Bonaccors, Danny Mattos, Jonas Geiss e Marco Antônio Lemos (Foto: Divulgação)

Em uma semana os cervejeiros caseiros Danny Mattos, Jonas Geiss, Mauro Manzali Bonaccorsi e Marco Antônio Lemos, sendo os três primeiros juízes com certificação pela entidade americana Beer Judge Certification Program – BJCP, ganharam medalha de ouro na categoria Specialty Beer e Alternative Fermentables Beer, respectivamente, no National Homebrew Competition (NHC), promovido pela American Homebrewers Association (AHA), e no Concurso Nacional das ACervAs, promovido pela ACervA Brasil e pela ACervA Espírito Santo, ambos da edição 2019, com a cerveja Onyris Ryewine, produzida a partir de uma cerveja do estilo base English Barleywine, mas com uma composição de grãos da receita diferente, substituindo 48% do malte de cevada por malte de centeio e adicionando maltes especiais escuros. Ainda este ano a cerveja já havia recebido premiação no concurso estadual mineiro promovido pela ACervA Mineira.

A conquista inédita no concurso americano foi o maior feito não só para Minas Gerais mas para o Brasil. Este é o maior e mais importante concurso de cervejeiros caseiros (homebrewers) do planeta. Na edição de 2019 recebeu um total de 9.187 inscrições de amostras de 3.492 participantes do mundo todo. De tão grande que é, ele é dividido em duas fases (rounds). Na primeira etapa (1º Round), todas as cervejas são avaliadas, na mesma data, em 10 cidades americanas. As três cervejas mais bem avaliadas em cada categoria por cidade foram selecionadas para a segunda e última fase do concurso. A Onyris Ryewine foi avaliada em Tampa, na Flórida, recebendo a segunda colocação, o que permitiu que passasse para a segunda fase (2º Round), concorrendo com as outras 29 cervejas melhores avaliadas na categoria. A segunda fase do concurso foi realizada no dia 27 de junho, e a cerimônia de premiação ocorreu no último sábado, dia 29.

Esta foi a primeira vez que cervejeiros caseiros brasileiros medalharam no National Homebrew Competition (NHC). Em edições anteriores, os cervejeiros brasileiros, inclusive Jonas Geiss, só conseguiram chegar até a segunda fase da competição. Este ano, pela primeira vez, estão vindo medalhas para o Brasil: Lúcio Botelho, com sua Smoked Wee Heavy, ganhou bronze, Jonas Geiss e Luiz Carlos Gaspar, com uma Beldian Dark Strong Ale, faturaram outro bronze, e o time formado Danny Mattos, Jonas Geiss, Mauro Manzali Bonaccorsi e Marco Antônio Lemos foi o campeão na Categoria Specialty Beer, com o reconhecimento da Onyris Ryewine como a melhor cerveja, em concorrência direta com outras 214 amostras.

A tela trouxe uma notícia inédita para o Brasil, com a medalha de ouro na NHC (Foto: Reprodução)

A tela trouxe uma notícia inédita para o Brasil, com a medalha de ouro na NHC (Foto: Reprodução)

 

Conforme os autores, a elaboração da receita foi resultado "do pensar fora da caixinha". O Guia de Diretrizes Estilos de Cerveja BJCP 2015 contempla os estilos English Barleywine, American Barleywine (releitura do estilo inglês, com lupulagem mais assertiva de amargor, aroma e sabor) e Wheatwine (versão do estilo americano com substituição de 50% de malte de cevada por malte de trigo, na composição de grãos da receita). Mauro Manzali explica:

“O que fizemos foi substituir 48% do malte de cevada por malte de centeio. Daí chama-la de Ryewine. Como o guia de estilos não contempla este estilo, nós a inscrevemos no estilo Alternative Grain Beer.”

É uma cerveja High Gravity, potente, com 12% de álcool por volume. O nome Onyris é referência aos deuses gregos dos sonhos.

“A primeira cerveja que fizemos na linha High Gravity foi uma Wheatwine, que batizamos de Morpheus (Deus grego do sono/sonho), porque as leveduras demoraram um pouco a acordar e dar início ao processo fermentativo. Daí, na nossa segunda High Gravity, resolvemos seguir os nomes alusivos aos deuses gregos dos sonhos. E não é que o sonho se concretizou?”, comenta Mauro Manzali.

Mauro é sommelier de cerveja, certificado pela Doemens/SENAC –SP e idealizador e proprietário do aplicativo de cervejas Brasil Beer Guide. Jonas Geiss é vencedor de vários concursos cervejeiros brasileiros, com a alcunha Jon Safadão. Danny Mattos e Marco Antônio Lemos tem projeto paralelo de produção de cerveja, a Brava Serena. Certo é que os quatro cervejeiros colocaram os seus nomes na história da cerveja artesanal no Brasil e no mundo.

“Ganhar uma medalha de ouro no National Homebrew Competition é o sonho de todo cervejeiro caseiro. A conquista dessa medalha só motiva a fazermos outras cervejas juntos! Somos um time campeão!”, diz Mauro Manzali, que acrescenta: “É um grande desafio, muito difícil mesmo, mas não é impossível chegar lá. Temos cervejeiros talentosos de sobra espalhados em todo o Brasil, acredito que essa conquista sirva de incentivo a fincarmos a bandeira do Brasil em solo americano, terra com maior número de cervejeiros caseiros em atividade do mundo, para as próximas edições da competição.”