Clube do Malte adota financiamento coletivo e lança cerveja

Empresa, com diversificação de operações, projeta triplicar o faturamento em cinco anos

Alexandre Miyaki e Douglas Salvador, sócios do Clube do Malte (Foto: Fernanda Barzenski/Divulgação)

Alexandre Miyaki e Douglas Salvador, sócios do Clube do Malte (Foto: Fernanda Barzenski/Divulgação)

O Clube do Malte acelera sua expansão depois de realizar uma operação de investimetno coletivo (equity crowdfunding) que atraiu 663 investidores e levantou R$ 1,9 milhão. Com o aporte, a empresa planeja iniciar uma séria de ações para ampliar e fidelizar sua comunidade para crescer 25% os clientes ativos até o final do ano, e triplicar seu faturamento em cinco anos, saltando dos atuais R$ 13 milhões para R$ 40 milhões.

Entre as iniciativas desta nova fase de crescimento, a empresa acaba de lançar os primeiros produtos da sua marca própria e prepara a sua entrada no segmento B2B através de uma plataforma própria de marketplace.

Douglas Salvador, CEO e fundador do Clube do Malte, comenta:

“O projeto de entrada no segmento B2B nos ajudará a cumprir dois objetivos de uma só vez: ampliar nosso faturamento e nos conectar com uma nova comunidade. Conseguimos atrair no crowdfunding investidores apaixonados por cerveja. A oferta fortaleceu ainda mais nossa comunidade e trouxe também novos amigos que agora nos ajudarão a levar nosso negócio para um novo patamar. A cerveja é uma paixão nacional e o mercado de cervejas especiais vem crescendo ano após ano.”

A empresa acaba de lançar também sua primeira marca própria, a cerveja Underground, um projeto desenvolvido durante três anos.

“Ainda neste mês serão lançados mais dois rótulos, e em agosto concluímos essa primeira etapa com o último lançamento”, antecipa o CEO.

Ele antecipa as expectativas de crescimento:

“Decidimos acelerar nosso crescimento para o próximo biênio. Para atingir essa meta, reestruturamos nosso cap table (tabela de captação), abrindo uma janela de 20% de cotas em tesouraria, que serão divididas em duas rodadas de investimento. Foram 7% neste primeiro crowdfunding e serão mais 13% em uma segunda captação que faremos em 2020, abrindo uma nova oportunidade para que nossa comunidade possa investir conosco.”

Underground, a primeira marca própria (Foto: Divulgação)

Underground, a primeira marca própria (Foto: Divulgação)