Monges belgas ressuscitam cerveja depois de 220 anos

Com ajuda de voluntários, a abadia de Grimbergen consegue decifrar receita antiga

O jornal britânico The Guardian deu destaque para a noticia (Foto: Reprodução)

O jornal britânico The Guardian deu destaque para a noticia (Foto: Reprodução)

Levou mais de 220 anos, mas uma ordem de monges que vivem na Abadia de Grimbergen (Bélgica), produtores de uma lendária cerveja medieval cuja marca foi adotada pelos produtores em massa na década de 1950, começaram a fermentar novamente depois de redescobrirem em seus arquivos os ingredientes e os métodos originais. Apresentada como uma Trippel, recebeu o nome de Triple D'Abbaye.

Em um sinal da importância do momento para belgas amantes da cerveja, o anúncio foi feito pelo subprior da abadia, Padre Karel Stautemas, na presença do prefeito da cidade e de 120 jornalistas e entusiastas.

Stautemas disse que o desenvolvimento foi o culminar de quatro anos de pesquisa sobre os métodos dos monges que fermentavam no mosteiro Norbertine antes de ser incendiado pelos revolucionários franceses em 1798. O mosteiro foi restabelecido mais tarde, mas a cervejaria e suas receitas foram pensados para serem perdidos na memória.

Stautemas admitiu que talvez seja melhor não beber muito da cerveja recém-produzida, cujo teor alcoólico é de 10,8%.

"Um ou dois estão bem", comentou Chris Selleslagh, o prefeito de Grimbergen, uma cidade a seis quilômetros ao norte de Bruxelas.

A fonte de inspiração para a nova microcervejaria, localizada no mesmo local do original, foi a descoberta de livros de detalhes do século 12 sobre os métodos de fermentação dos monges originais, especificamente o uso de lúpulo em vez de ervas fermentadas, que colocam os monges à frente de muitos de seus contemporâneos.

Os livros só foram salvos no século 18 graças a um movimento arriscado dos religiosos, que abriram um buraco na parede da biblioteca e removeram secretamente cerca de 300 livros antes de a abadia ser incendiada.

"Nós tínhamos os livros com as receitas antigas, mas ninguém conseguia lê-los", disse Stautemas. “Era tudo em latim antigo e holandês antigo. Então nós trouxemos voluntários. Passamos horas folheando os livros e descobrimos listas de ingredientes para cervejas produzidas em séculos anteriores, os lúpulos usados, os tipos de barris e garrafas e até mesmo uma lista das cervejas produzidas há séculos.”

Apenas alguns elementos dos livros de receitas estão sendo usados pelos monges.

"Eu não acho que as pessoas agora gostariam do sabor da cerveja feita naquela época", disse Stautemas.

Marc-Antoine Sochon, o recém-nomeado mestre-cervejeiro da abadia, observou:

"Naquela época, a cerveja comum era um pouco sem gosto, era como pão líquido".

A falta de aditivos artificiais, o uso de barris de madeira e a exploração de determinado solo local - ou terroir - estão sendo imitados.

A microcervejaria, que estará dentro da abadia e contará com um bar e restaurante no local, será aberta ao público no final de 2020 e está projetada para produzir cerca de 10 mil hectolitros.

Uma das novas cervejas é a edição limitada de Grimbergen Triple D'Abbaye, envelhecida em barris de uísque por cinco meses, uma técnica similar àquelas usadas na produção de cerveja belga nos anos 1500.

"Para começar, a cerveja é envelhecida em barris de carvalho francês, que antes eram usados para bourbon e uísque, e a levedura é adicionada para dar uma ligeira referência. Durante esse tempo, os sabores fenólicos coentro, frutados e condimentados diminuem, permitindo o malte, sabores doces e baunilha do barril de uísque para infundir", diz uma descrição oficial da cerveja.

O Triple D'Abbaye tem notas de malte, baunilha e sabores doces do primeiro barril, apoiados por notas sutis e defumadas do segundo, diz a descrição. Tudo com uma nota subjacente de tempero e um alto teor de álcool de cerca de 10,8%.

Stautemas, que vive com outros 11 monges na abadia, disse:

“O que realmente aprendemos foi que os monges continuaram inovando. Eles mudaram a receita a cada 10 anos.

A nova cerveja está sendo feita em parceria com a Carlsberg, que produz a linha de cervejas Grimbergen para venda em todo o mundo, e a Alken-Maes, que a comercializa no mercado belga.

A microcervejaria produzirá 3 milhões de garrafas de 330ml por ano para um mercado em grande parte francês e belga.

Perguntado se se sentia confortável com a união comercial com grandes cervejeiros, Stautemas disse que os royalties de todas as cervejas Grimbergen permitiriam que os monges vivessem no mosteiro, fizessem peregrinações e ajudassem "aqueles que vêm bater à nossa porta e precisam de ajuda".

Grimbergen foi fundado em 1128, mas sofreu incêndios três vezes ao todo, dando-lhe o símbolo de uma fênix e o lema ardet nec consumitur - queimado mas não destruído.