Schornstein cria incubadora de cervejas

Usina Schornstein vai lançar rótulos criados por alunos da Escola Superior de Cerveja e Malte

As melhores receitas vão para o portfólio da cervejaria catarinense, com o nome de Usina Schornstein (Foto: Daniel Zimmermann/Divulgação)

As melhores receitas vão para o portfólio da cervejaria catarinense, com o nome de Usina Schornstein (Foto: Daniel Zimmermann/Divulgação)

Uma das cervejarias artesanais de mais expressão no Brasil, a Schornstein, de Pomerode (SC), acaba de criar uma incubadora de cervejas. A Usina Schornstein, em parceria com a Escola Superior de Cerveja e Malte, vai lançar quatro rótulos experimentais criados por Alunos ligados à instituição com sede na vizinha Blumenau. As melhores receitas ficarão no portfólio da cervejaria, e uma porcentagem dos resultados retornará para a Escola, para custear bolsas de estudo aos alunos.

O propósito é aproximar ainda mais três destes elos: cervejaria, estudantes do segmento e a Escola de Cerveja e Malte. A iniciativa tem o potencial de trazer inovação para o portfólio da Schornstein e ainda difundir a cultura cervejeira no país.

A metodologia é simples. Alunos da Escola Superior de Cerveja e Malte inscrevem as suas receitas para um comitê avaliador através de um concurso interno. Com o rótulo escolhido, o rótulo passa por um processo muito similar ao ocorrido nas cervejarias artesanais: ajustes de produção, definição de nome, formação de preço e lançamento. Tudo isso é acompanhado de perto pelo criador da receita.

A cerveja criada, a ser comercializada em latas, chega ao mercado com a marca da Usina Schornstein. Parte do resultado é destinado a Escola Superior de Cerveja e Malte e convertido em bolsas de estudos para os alunos da instituição. Por ano, serão realizados quatro ciclos como este.

O primeiro estilo será uma Session IPA. As receitas já estão sendo avaliadas, e o lançamento está previsto para fevereiro.

Adilson Altrão, diretor da cervejaria, comenta que o objetivo da Usina é trazer inovação para o mercado e, ao mesmo tempo, inserir os alunos da escola no contexto da indústria:

“Acreditamos que seja uma troca de informações e experiências bastante válidas. Os alunos trazem a sua criatividade para a Schornstein e ainda saem do processo com uma visão real do funcionamento de uma indústria. Além disso, contribuímos para o mercado com a Escola obtendo recursos para bolsas de estudo.”

O diretor da Escola Superior de Cerveja e Malte, Carlo Bressiani, elogia a iniciativa:

“Todas as formas de disseminar a cultura cervejeira são importantes para este momento que o segmento vive. Tenho certeza que os estudantes que passarão por esses ciclos terão resultados incríveis para suas vivências no setor. Pode ser um divisor de águas na vida profissional deles.”