Mercado, Destaque

InBev compra cervejaria das cultuadas DeuS, Tripel Karmeliet e Kwak

Fábrica que produz cervejas reverenciadas no mundo todo estava sob o controle da mesma família havia sete gerações (Fotos: Divulgação)

Fábrica que produz cervejas reverenciadas no mundo todo estava sob o controle da mesma família havia sete gerações (Fotos: Divulgação)

A belga Bosteels é uma das aquisições de maior impacto da megacorporação cervejeira

Produtora das cultuadas cervejas Kwak, DeuS e Tripel Karmeliet, a belga Bosteels passa a ser parte da gigante AB InBev (no Brasil, Ambev). O anúncio foi feito por ambas as empresas na quinta-feira. A compra fortalece o estratégico avanço da AB InBev no mercado de cervejas especiais, em que nos últimos anos vem acumulando não apenas aquisições de corporações como a SAB Miller, mas também micro e pequenas cervejarias admiradas, como a Wäls e a Colorado, no Brasil, e diversas nos Estados Unidos. Mas o caso da mítica cervejaria belga tem um impacto ainda maior.

 
 

Bosteels, fundada em 1791, estava havia sete gerações nas mãos da mesma família.

Repetindo o discurso que tem sido ouvido em outras aquisições de cervejarias pela InBev, Antoine Bosteels, definiu o negócio como "o melhor dos dois mundos":

"Continuamos comprometidos com a nossa individualidade e qualidade, e, por outro, temos uma forte parceria com raízes belgas, oferecendo oportunidades adicionais para a distribuição e comercialização."

Com a produção em 2015 de 145.000 hectolitros - dos quais 55% destinados à exportação -, a cervejaria é uma das Top 10 das cervejarias belgas. Em três anos, a produção anual cresceu de 100.000 para 145.000 hectolitros (ou 14,5 milhões de litros).

A gigante cervejeira reforça o que já tinha ficado claro para quem acompanha o mercado cervejeiro: vai surfar - e com agressividade - na onda das cervejas especiais.

"Queremos atingir o maior número possível de pessoas, incluindo aquelas pessoas que gostam de provar", disse o porta-voz da AB InBev, Korneel Warlop.

A cervejaria permanece em Buggenhout. O CEO Antoine Bosteels permanece à frente da cervejaria. A aquisição, segundo ele, vai garantir o futuro da fábrica e as cervejas de longo prazo.