“Mercado de cerveja no Brasil ainda vai aumentar”

Brewmaster Roberto Biurrun, destaque na programação do Cervecon, tem visão otimista

"O termo profissionalização é a palavra-chave para o mercado", diz Biurrun, esperado para o congresso na Escola Superior de Cerveja e Malte, em Blumenau (Foto: Reprodução)

"O termo profissionalização é a palavra-chave para o mercado", diz Biurrun, esperado para o congresso na Escola Superior de Cerveja e Malte, em Blumenau (Foto: Reprodução)

“Apesar da atual situação econômica, que terá com certeza um impacto sobre os números de vendas, o mercado de cerveja no Brasil ainda vai aumentar por causa da população e sua idade”, afirma o brewmaster Roberto Biurrun. Coordenador da VLB Berlin, referência internacional, ele faz parte da programação do 1º Congresso Latino Americano de Ciência e Mercado Cervejeiro (Cervecon), entre 7 e 9 de julho, em Blumenau (SC).

Com mais de duas décadas de experiência a frente do mercado cervejeiro, Roberto Biurrun apresentará palestras sobre as variedades de lúpulo, o movimento "Craft Brewer” e participará de um debate sobre as tendências do mercado cervejeiro no Brasil e América Latina ao lado de grandes nomes do setor como o sommelier argentino Martín Boan, o mestre-cervejeiro Paulo Schiaveto, e o idealizador e diretor da Escola Superior de Cerveja e Malte, Carlo Enrico Bressiani.

Nos preparativos para desembarcar no Brasil, Roberto Biurrun falou um pouco sobre a expansão do segmento no país, o lúpulo brasileiro e qual segmento o mercado cervejeiro nacional ainda precisa melhorar para atingir patamares internacionais:

P - Como vê a expansão do segmento no Brasil?

Roberto Biurrun - Apesar da atual situação econômica, que terá com certeza um impacto sobre os números de vendas, o mercado de cerveja no Brasil ainda vai aumentar por causa da população e sua idade. Particularmente, o setor de cerveja industrial é referência no mundo, grandes grupos como a Ambev, Heineken e Kirin já estão presentes no Brasil, isso mostra o quão importante é este mercado para as empresas internacionais. Em relação ao setor das cervejas artesanais, o desafio será o de sobreviver com a situação econômica atual, mas esse movimento tem um desenvolvimento muito interessante no Brasil.

P - Nos últimos anos, a produção brasileira de lúpulo tem sido almejada. Esta expansão no setor pode incentivar a explosão do mercado brasileiro?

Biurrun - Acho que não. Claro que novos fornecedores locais de matérias-primas são sempre bem-vindos, mas na minha opinião, o nascente mercado de cerveja (em particular o setor da cerveja artesanal) é satisfazer a necessidade de clientes para obter uma cerveja diferenciada.

P - Em qual área/segmento o mercado cervejeiro nacional ainda precisa melhorar?

Biurrun - O termo profissionalização é a palavra-chave para o mercado. Desta maneira, a VLB tentar estar presente em toda a América Latina a fim de apoiar os recém-nascidos cervejeiros artesanais. Um exemplo é o convite que eu estou atendendo a participar do Cervecon, como palestrante e depois para dar aulas durante uma semana na Escola Superior de Cerveja e Malte, em Blumenau.

Programação Cervecon

Quinta-feira (7 de julho):

Atividades pré-evento:

8h – Recepção na Escola Superior de Cerveja e Malte
9h às 12h – Impostos (aspectos tributários). Palestrante: Carlo Bressiani.
9h às 12h – Pensando fora da caixa: uso de especiarias e maturação em madeira na produção de cerveja. Palestrante: Idney José da Silva Júnior.
9h às 12h – Avaliação Sensorial no dia a dia das microcervejarias. Palestrante: Marcos Odebrecht.

Programação científica:

12h30min – Credenciamento no palco principal do auditório da Vila Germânica
14h - 14h50min – Diferentes tipos de mistura (Gustavo Miranda)
15h - 15h30min – Relação Cervejarias x Ciganas (Ronaldo Flor)
16h - 17h30min – Debate 1: Lei da Pureza Alemã (Sandro Cocuzza, Gustavo Miranda, Rodolfo Rebelo - Moderador)
17h30min – Solenidade de abertura oficial do evento.

Sexta-feira (8 de julho):

8h15min às 9h15min - A Importância do controle e eliminação de microrganismos na manutenção da qualidade no processo cervejeiro (Roberta Bassi Soraes Jacinto)
9h20min às 9h50min - RX do Mercado de Cervejas na Argentina (Martín Boan)
10h às 10h30min - Intervalo e visita aos pôsteres
10h30min às 11h20min – Lúpulo – Amargor, aroma e.... Algo mais? (Sandro Cocuzza)
11h30min às 12h20min - Produção brasileira de cevada cervejeira: situação, desafios e perspectivas (Euclydes Minella - Embrapa Trigo)
11h30min às 12h20min - Controle Microbiológico em Cervejarias - O que os nossos Olhos Não Veem - Sala Temática (Gabriela Muller)
12h20min às 14h - Almoço
14h às 14h50min - Técnicas avançadas de refermentação em garrafa (Marcelo Cerdan)
15h às 15h50min - Técnicas de Dry-Hopping (Georg Drexler)
15h50min às 16h30min - Intervalo e visita aos pôsteres
16h às 17h30min - Branding, franshising e mídias sociais (Daniel Wolff)

Sábado (9 de julho):

8h15min às 9h30min - Novas variedades de lúpulo e aplicações na elaboração de cervejas - Roberto Biurrun (VLB - BERLIN)
9h40min às 10h30min - Comparação de Marketing: Vinho e Cerveja (Gustavo Gariglio Daher)
10h30min às 10h50min - Intervalo e visita aos pôsteres
10h50min às 11h20min - Utilidades para Microcervejarias (Honorato Pradel)
11h30min às 12h20min – Flavors (Paulo Schiaveto)

Almoço

14h às 15h - O movimento "Craft Brewer": alcançar tamanhos industriais mantendo a essência do ofício (Roberto Biurrun)
15h10min às 15h40min - Uso de Centrífuga na Finalização (Walter Borelli)
15h10min às 15h40min - Homebrewing: Técnicas e Mitos na Brassagem- Sala Temática (Guenther Sehn).
15h40min às 16h – Intervalo e visita aos pôsteres
16h às 17h30min - Debate: tendências do Mercado Cervejeiro no Brasil e América Latina - (Martín Boan, Roberto Biurrun, Carlos Bressiani (Moderador))
17h30min – Encerramento.