Não abra “mais uma” cigana!

Amigos e parentes não são boas referências de qualidade de cerveja, lembra o Advogado Cervejeiro

 Karl Grandin e Henok Fentie, da Omnipollo, uma das mais celebradas cervejarias ciganas

Karl Grandin e Henok Fentie, da Omnipollo, uma das mais celebradas cervejarias ciganas

Abrir uma cervejaria cigana é o sonho de muita gente ultimamente. Por semana devo receber cerca de 10 e-mails questionando o passo a passo de como constituir uma cervejaria que produz sob contrato de terceirização. O maior atrativo é o suposto baixo investimento inicial, principalmente se comparado com a abertura de uma cervejaria com fábrica própria. Contudo, possuir o dinheiro para aportar no negócio e ter o sonho de abrir uma cervejaria passam longe das necessidades básicas para abertura de uma cigana. Muitos empreendedores ficam seduzidos pela facilidade de um custo menor de inserção no mercado e não atentam para detalhes fundamentais para a vitalidade do negócio.

O que é preciso, então?

Com o mercado de cerveja artesanal em franca expansão, diariamente surgem novas ciganas no Brasil. Porém, quantidade não significa qualidade. Muitas novas ciganas surgem da falsa expectativa de ganhar dinheiro fácil, o que está longe de ser a realidade. Além de possuir um propósito claro (dinheiro é consequência, não propósito), é necessário muito planejamento comercial, financeiro e conhecimento do processo de fabricação. Focar em um nicho de mercado específico é o ideal, sobretudo se considerarmos a variedade de cervejas disponíveis no mercado. E, claro, a qualidade do produto, que deve ser o objetivo principal.

Dicas valiosas:

Amigos e parentes não são boas referências de qualidade de cerveja. Procure profissionais para uma opinião técnica sobre suas cervejas;

Economizar nos insumos não é um bom caminho;

Converse com cervejeiros ciganos sobre todos os aspectos do negócio antes de tomar a decisão final de abrir uma cigana.

Cumpridos esses requisitos e com o dinheiro em mãos é possível começar a pensar em abrir uma cervejaria.

E cumpridos esses requisitos, o que devo fazer?

Tendo um produto de qualidade e um plano de negócios bem elaborado, o próximo passo é encontrar um contador que já trabalhe com outras ciganas, para facilitar nas questões tributárias e na escolha das atividades da empresa a ser criada (não existe fórmula pronta). Posteriormente é necessária a elaboração de um contrato social por um advogado, que também poderá elaborar o contrato de terceirização da produção e fazer o registro da marca da cervejaria no INPI. Já alertamos em outro post que os riscos de não registrar a marca são reais. Constituída a empresa, a cigana estará pronta para começar a produzir.

Então, se a sua ideia é abrir uma cervejaria cigana, faça isso da melhor forma possível: com muito planejamento e com foco na qualidade do produto final, senão a sua empresa estará fadada ao fracasso e ao esquecimento em pouco tempo. Prepare-se em todos os aspectos do negócio e alie-se a pessoas que podem te ajudar na profissionalização do seu negócio. Assim, com a ajuda de uma cerveja com algum diferencial, talvez a sua cervejaria não seja apenas “mais uma” cigana.

André Lopes, sócio do escritório Lopes, Verdi & Távora Advogados.

Para ler mais artigos do Advogado Cervejeiro, clique aqui