4 dicas do sommelier da Dama Bier sobre como degustar cervejas especiais

Noções importantes para quem está entrando no labirinto da diversidade cervejeira

Paulo Bettiol, como dos juízes da Copa Cervezas de América 2015 (Foto: Sarah Buogo/Arquivo Beer Art)

Paulo Bettiol, como dos juízes da Copa Cervezas de América 2015 (Foto: Sarah Buogo/Arquivo Beer Art)

Para quem está se iniciando no universo das cervejas artesanais e especiais e descobrindo novos sabores e possibilidades, o sommelier Paulo Bettiol, da Dama Bier, reuniu algumas dicas. Cervejaria de Piracicaba que é um dos destaques no cenário da renovação, a Dama Bier enviou as dicas para a Beer Art, que decidiu compartilhar. Confira mais abaixo. (e, para ler mais dicas sobre outros temas ligados a cerveja, entre em revistabeerart.com/dicas)


Nada de cerveja estupidamente gelada, esbranquiçada ou caneca congelada. Além de mascarar o sabor e aroma da bebida, a temperatura abaixo de 0°C anestesia as papilas gustativas, responsáveis pelo paladar, privando de sentir o sabor da bebida. Os diferentes estilos de cerveja podem variar de temperatura. Em geral, as cervejas mais leves e frescas devem ser servidas com temperatura mais baixa do que as cervejas mais robustas. Assim, podemos ter uma variação de 1° C a 3°C nas cervejas leves, e nas mais robustas e encorpadas pode-se partir de 6°C.

A temperatura adequada


Atenção ao servir

É fato que o formato do copo influência diretamente na percepção do produto. Determinados formatos de copos retêm mais o gás que está se desprendendo da cerveja, já outros facilitam a liberação do aroma. Alguns são tradicionais de determinados estilos, como da Weissbier ou a Pint para as cervejas inglesas. Independentemente do formato do copo, um item de suma importância é a limpeza. No momento do consumo os copos devem estar sem resíduo de gordura, detergente ou qualquer tipo de sujeira. Por isso, é importante ter uma bucha somente para os copos, para não ter perigo de pegar a mesma esponja que lavou um prato de macarronada um pouco antes.


A sequência ideal

Uma dica do sommelier é iniciar a degustação pelas cervejas de menos intensidade, com menor teor alcoólico e potência sensorial, e homeopaticamente ir subindo a intensidade das cervejas. Conforme for mudando de rótulo, consuma pão ou tome água, assim os aromas e sabores não confundem o paladar.


A análise da cerveja

Assim como o vinho, é fundamental “reparar” na cerveja para perceber a infinidade de características. Sempre que degustar, analise inicialmente sua cor e aparência, veja sua espuma, depois não tenha vergonha e coloque o nariz próximo ao copo, sinta o aroma que a cerveja oferece, por fim, sinta o sabor, que pode ter dulçor, frutado, amargor, entre outros. Se possível, anote as diferentes percepções sensoriais de cada rótulo que degustar, assim nas próximas ocasiões você saberá qual o estilo que mais lhe agrada.