Cervejaria Colorado, tradição desde sempre

Por que a Colorado, com sua criatividade, é um dos pilares do renascimento da cerveja artesanal brasileira

Com seus ingredientes típicos nacionais, a Colorado é um embrião do que um dia será chamado de "escola cervejeira brasileira" (Foto: Rogério Volgarine/@cervejaecomida)

Com seus ingredientes típicos nacionais, a Colorado é um embrião do que um dia será chamado de "escola cervejeira brasileira" (Foto: Rogério Volgarine/@cervejaecomida)

Texto: Fabricio Santos – FullPintBR
Fotos: Rogério Volgarine @cervejaecomida
Beer Art 13 - dez/14

Ribeirão Preto − Próxima de completar 20 anos, a Cervejaria Colorado (que por pouco não foi chamada de Cervejaria Califórnia) tem este nome pelo fato de o Estado Norte-Americano do Colorado ter boas cervejas e excelente água − aliás, a cervejaria foi fundada em Ribeirão Preto por conta da fama da água e de a cidade ser culturalmente cervejeira − está novamente mudando de planta. Depois de anos e anos, o pulo é enorme, para uma planta de 4.000m² que certamente colocará a cervejaria num outro patamar.

A Colorado certamente deu início à criação da “escola cervejeira brasileira” com seus ingredientes típicos nacionais. Lembro bem que, lá pelos idos de 1995/1996 no então Brewpub na Avenida Independência a coqueluche era beber a cerveja “forte e para poucos” com rapadura. Ou ainda a inusitada cerveja com mel que deixava os incrédulos de nariz torcido. Elas estão aí até hoje: Indica (o maior sucesso da cervejaria e uma das cervejas mais premiadas do Brasil) e a Appia (a cerveja mais injustiçada de todas, que nem cerveja pode ser considerada por conta do mel de laranjeira que é de origem animal e nossa legislação engessada proíbe).

O primeiro grande marco da Colorado veio há uns 6 ou 7 anos atrás com o lançamento da Ithaca (que originalmente era para chamar-se Vintage, mas mais uma vez as burras barreiras da legislação proibiram este nome). Trata-se de uma Imperial Stout de 10,5% ABV que não para de ganhar prêmios desde então. Tem na sua composição a boa rapadura brasileira. Chegou até a usar uma outra roupagem, Guanabara, para o mercado exterior, mas sempre manteve a mesma essência. Pra quem não sabe, esta cerveja foi feita originalmente com o hoje mestre-cervejeiro da Invicta, Rodrigo Silveira, que me contou uma vez que a Ithaca “era desenvolvida e feita somente de madrugada, para que sua receita e feitio fossem mantidos guardados a sete chaves”.

A cozinha de cobre continua lá, para produções e, claro, para embelezar o local. Quem não tem uma foto na frente daquela cozinha? Quem não tem uma foto com Laércio Shiya, um “patrimônio” da Colorado e certamente um dos cervejeiros mais respeitados no Brasil.

Marcelo Carneiro, o fundador da Colorado (Foto: Divulgação)

Marcelo Carneiro, o fundador da Colorado (Foto: Divulgação)

Marcelo conta que sonhava em ficar rico com a cerveja, “mas não fiquei, quase desisti há uns anos atrás, mas a paixão pela cerveja e as amizades que fiz não me deixam mais ficar longe da Colorado”.

E não deixa mesmo. A Cervejaria chegou até a ter presidente e conselho, que acabou extinto e fez com que o Marcelo voltasse ao comando total de lá. A paixão dele é tão grande que recentemente publiquei um vídeo revelando quem estava por trás da fantasia de urso no Ipa Day: adivinha? E estava uns 40 graus fora daquela roupa, imagina dentro... Eu tenho um grande apreço pela Colorado, escrever este texto me traz somente boas lembranças. Afinal esta cervejaria faz parte do meu início nas puro maltes da vida e eu só fui me tocar muito tempo depois que participei do começo da cerveja artesanal em Ribeirão Preto. Hoje os planos de voo do urso são ousados: lançaram no fim de 2013 a cerveja do Titãs (uma Brown Ale com laranja); fizeram uma colaborativa com a Antares − o gente boníssima Leo Ferrari (dono da Antares) trouxe pessoalmente o lúpulo argentino usado num dry hopping de Vixnu −; outra colaborativa com o pessoal da Tupiniquim de Porto Alegre-RS e com o mestre-cervejeiro da Nøgne Ø e vem aí mais uma colaborativa com a Saint Feuillien. Estas duas últimas, aliás, são de um estilo inédito na Colorado, Saison.

Não é de hoje que a maioria dos experts em cerveja brasileiros consideram a Colorado como um dos pilares cervejeiros nacionais e, quando e se um dia existir uma “escola brasileira” os louros devem ser colocados primeiramente na cabeça de Marcelo, que contra leis alemãs e brasileiras (sem ser um fora da lei, é claro) galga um degrau por dia em rota de colisão iminente e constante com o sucesso. Como já disse pessoalmente pra ele: não é fácil ser dono da maior microcervejaria brasileira.

Clique na foto para ver mais imagens da galeria (Crédito: Rogério Volgarine/@cervejaecomida)

NOMES CURIOSOS

  • Por pouco não foi escolhido como nome "Cervejaria Califórnia", outro Estado norte-americano
  • A Ithaca, um dos primeiros sucessos da Colorado, deveria se chamar Vintage, mas a burocracia impediu
  • Para o mercado exterior, a Ithaca tem outro nome, Guanabara

Endereço: Rua Minas, 394, Campos Elíseos − Ribeirão Preto

Site: www.cervejariacolorado.com.br

Appia, com a ousadia do mel de laranjeira como ingrediente (Foto: Rogério Volgarine/@cervejaecomida)

Appia, com a ousadia do mel de laranjeira como ingrediente (Foto: Rogério Volgarine/@cervejaecomida)