Saint Bier: O Mosteiro cresceu

Cervejaria amplia volume e opções das artesanais

Em expansão, a Saint Bier triplicou a capacidade produtiva (Foto: Sarah Buogo/Beer Art)

Em expansão, a Saint Bier triplicou a capacidade produtiva (Foto: Sarah Buogo/Beer Art)

Sarah Buogo (texto e fotos)

Forquilhinha – Recentemente, a Saint Bier passou por uma importante ampliação da sua estrutura física. Triplicou sua capacidade, produzindo atualmente 2,5 milhões de litros/ano, com possibilidade de crescer ainda mais. Ampliou consideravelmente também o leque de equipamentos associados à melhoria da qualidade. O crescimento veio a partir de investimentos em parceira com um novo grupo. Isso possibilitou a ampliação do parque fabril, em Forquilhinha, no sul catarinense, com aquisição de novos equipamentos. Ao quadro de profissionais já existente foram agregados novos valores que estão ajudando a otimizar a gestão.

Quem apenas visualiza a fachada da cervejaria pode acabar ignorando a dimensão da sua estrutura. A construção, de dois andares, abriga um pub que serve pratos da gastronomia local e todos os estilos de cerveja produzidos pela fábrica. Esse Pub é dividido em três ambientes, decorados com coleções de garrafas, tampinhas e bolachas de cervejas do mundo todo, que por si só valem a visita. A parte administrativa da cervejaria fica no andar superior. Na área industrial, além de equipamentos modernos e de grande volume, para produção cervejeira, o espaço conta com um bem equipado laboratório de análises e uma cervejaria piloto, na qual as receitas são desenvolvidas, testadas e aprimoradas. Seguindo o fluxo, é possível ver um moderno setor de envase e packaging, e uma ampla área de estoques e expedição. Em prédio lateral, a área de estoques de matérias-primas é marcada pelos aromas dos maltes e uma câmara fria abriga diferentes variedades de lúpulos.

Com esse salto, a Saint Bier preserva sua preocupação em manter uma produção artesanal de alto volume sem perder seu permanente foco em qualidade. Dentro da estratégia de crescimento e posicionamento no mercado para os próximos anos, a marca pretende inovar em seu portfólio de cervejas e manter suas posições nos estados do sul, ampliar o volume no sudeste e chegar aos estados do centro-oeste, norte e nordeste.

O engenheiro Evandro Janovik, diretor de Operações e mestre-cervejeiro, que acompanhou a Beer Art na visita à fábrica, ressalta:

“A Saint Bier destaca-se principalmente pela qualidade de suas cervejas e da sua gestão. Nosso planejamento está atrelado à evolução contínua de nossos processos e indicadores de desempenho, com o objetivo único de seguir entregando sempre mais e melhores cervejas aos nossos apreciadores. Essa é nossa característica fundamental.”

Os rigorosos padrões de qualidade estão presentes tanto na parte industrial quanto na proposta de marketing. Para marcar esse novo momento, o ícone da marca, o famoso Monge da Saint Bier, ganhou nova roupagem, com características mais humanizadas, sem perder a personalidade cervejeira, presente em diversos detalhes dos rótulos e materiais de marketing.

Outro ponto chave da nova fase está nas receitas. Tradicionalmente conhecida pelo sabor do “puro malte” e pela produção seguindo a Lei da Pureza Alemã (Reinheitsgebot), a cervejaria inova. O Monge passa a apresentar também receitas que rompem com a Lei de Pureza, e assim uma nova linha intitulada de "Herege". A primeira “indisciplina” dessa nova linha “fora da Lei” foi lançada recentemente e já está no mercado. Trata-se da RIPA, uma India Pale Ale (IPA), que leva a brasilidade da rapadura como ingrediente “herege”.

Graças ao laboratório instalado em janeiro/15, as análises de qualidade, antes feitas fora, agora são realizadas dentro do parque fabril (Foto: Sarah Buogo/Beer Art)

Graças ao laboratório instalado em janeiro/15, as análises de qualidade, antes feitas fora, agora são realizadas dentro do parque fabril (Foto: Sarah Buogo/Beer Art)

A nova imagem do monge, ainda mais humanizada e com marcante plantação de cevada e, bem ao fundo, de lúpulo (Foto: Sarah Buogo/Beer Art)

A nova imagem do monge, ainda mais humanizada e com marcante plantação de cevada e, bem ao fundo, de lúpulo (Foto: Sarah Buogo/Beer Art)

Evandro combina as funções de diretor de Operações e mestre-cervejeiro (Foto: Sarah Buogo/Beer Art)

Evandro combina as funções de diretor de Operações e mestre-cervejeiro (Foto: Sarah Buogo/Beer Art)

 

Há ainda, na série de inovações, a Slimbir, que segue o estilo Radler. Leveza e frescor são as principais características dessa cerveja de trigo com a adição de suco de laranja 100% natural. Com baixo teor alcoólico (2,5%), destaca-se pelo sabor marcante do cítrico, que foge das linhas de uma cerveja tradicional, sem perder o sabor.

“A Saint Bier quer estar inserida no contexto das cervejarias que participam da revolução cervejeira no Brasil. E a revolução é apresentar opções diferenciadas, uma gama de novas cervejas, de diferentes aromas e sabores, ao nosso consumidor", explica Evandro Janovik. “Malte é sagrado, milho é profano.”

E saindo do forno, ou melhor das panelas da cervejaria, a ILA. Uma IPA avermelhada, que faz uso de um ingrediente regional que lhe confere sua cor especial. A cerveja reafirma que o método Herege veio para ficar e vai seguir entregando cervejas inusitadas aos apreciadores. Deve chegar ao mercado em meados de junho.

É a nova fase de uma cervejaria em operação desde 2008, concebida para homenagear o estado e a comunidade que a acolheu. Nestes sete anos é possível perceber uma expansão significativa. A Saint Bier se tornou a casa também da Cerveja Coruja, além de produzir para cervejarias parceiras, como a Barco e a Anner, ambas de Porto Alegre (RS). Em 2015, inicia um novo ciclo, que promete muito mais.

Endereço: Av. 25 de Julho, 1303 – Vila Lourdes, Forquilhinha (SC)

Comment