Seasons, para todas as estações

Um prédio com aparência de depósito em Porto Alegre abriga uma cervejaria inovadora

Leonardo Sewald, que no início percorria os bares com barris oferecendo sua cerveja, hoje uma das mais respeitadas entre as artesanais brasileiras (Foto: Ricardo Jaeger/Beer Art)

Leonardo Sewald, que no início percorria os bares com barris oferecendo sua cerveja, hoje uma das mais respeitadas entre as artesanais brasileiras (Foto: Ricardo Jaeger/Beer Art)

Ricardo Jaeger (fotos)
e Tiago Lobo (texto)

Beer Art 1 - ago/set 2013

Porto Alegre - Por trás de uma porta de metal que sugere um lugar inacessível, encontra-se um ambiente acolhedor. Uma rápida olhada dentro do depósito de 300 m² no bairro Anchieta, próximo do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre (RS), revela o espírito da Seasons, o de produzir cerveja como quem faz uma obra de arte. É uma fórmula bem-sucedida. Em três anos, acumulou prêmios, inclusive internacionais, e quadruplicou a produção.

Tiago Genehr, que guiou a equipe da Beer Art na visita à cervejaria (Foto: Ricardo Jaeger/Beer Art)

Tiago Genehr, que guiou a equipe da Beer Art na visita à cervejaria (Foto: Ricardo Jaeger/Beer Art)

O cervejeiro Tiago Genehr guiou a equipe da Beer Art pelo prédio com altura de hangar metodicamente limpo e explicou o processo de fabricação. Naquela tarde, uma fervura lançava um aroma suave de malte. Não fossem as garrafas de vidro em lugar de tubos de ensaio, lembraria um laboratório. A cena incluiu um instante em que o cervejeiro, Eduardo Sampaio, pareceu um cientista com óculos, avental e luvas ao preparar uma solução para limpar o equipamento.

A história da empresa começa em 2008 com Leonardo Sewald e a esposa, Caroline Bender. O casal viajou para a Alemanha, e Sewald teve a certeza de que queria abrir seu negócio. Foi para os EUA estudar e, quando voltou, decidiu largar 13 anos como profissional da área de Tecnologia da Informação e começar seu empreendimento. Isso levou dois anos, e a Seasons só abriu as portas em 2010. No início eram ele e a esposa, responsável pelo setor financeiro.

Para conseguir clientes, Sewald saía com um barril e oferecia o produto em bares. Muitos manifestavam interesse mas exigiam que fossem fornecidas mesas, cadeiras e até freezers com o produto. “Eu recebi muitos ‘nãos’, mas aqueles bares que nos disseram ‘sim’ estão conosco até hoje”, observa.

A Green Cow foi o primeiro carro-chefe (Ricardo Jaeger/Beer Art)

A Green Cow foi o primeiro carro-chefe (Ricardo Jaeger/Beer Art)

O negócio começou a crescer a partir do sexto mês, com uma carta de clientes fiéis e o lançamento da primeira bebida engarrafada: a Green Cow, uma American IPA que se tornou o carro-chefe da empresa. Depois vieram as garrafas das outras cervejas da empresa, que hoje conta com um catálogo de quatro rótulos de linha, três sazonais e 29 receitas registradas no Ministério da Agricultura.

Durante a entrevista a Seasons foi visitada pelo mestre-cervejeiro Carlos Bolzan, que desde 2006 trabalha na Dado Bier. Bolzan foi comprar um fermento, pois a Seasons também vende insumos como forma de incentivar e apoiar a cultura da boa cerveja. Em outros mercados aquela visita seria considerada espionagem, mas por ali é todo mundo conhecido. Sewald explica: “Nós nos encaramos como parceiros de negócios, pois o mercado é tão pequeno que me interessa que apareçam novas cervejarias”. Segundo Sewald, que se diz um Geek da cerveja, é fácil fazer uma bebida boa. O difícil, explica, é fazê-la cada vez melhor.

Veja galeria (Fotos: Ricardo Jaeger/Beer Art)