Ambev estimula aumento na área de plantio de cevada

Expectativa é de aumentar em 35% a área de cultivo no programa de fomento no Brasil

A ideia é incrementar a área plantada ano a ano até que o país se torne autossuficiente no fornecimento do grão (Foto: Divulgação)

A ideia é incrementar a área plantada ano a ano até que o país se torne autossuficiente no fornecimento do grão (Foto: Divulgação)

Entre meados de maio e junho é realizado no Rio Grande do Sul o plantio de cevada, um dos principais insumos cervejeiros, e do qual o Brasil é dependente de importação. Nas zonas mais frias do Estado, o período recomendado para a semeadura se inicia em junho e vai até o fim de julho. A expectativa da Ambev é aumentar em 35% a área de cultivo em seu programa de fomento com cooperativas e produtores rurais, que contabiliza ter sido o responsável pela produção de quase metade da cevada produzida em todo o Brasil no ano passado.

Mais de 90% das famílias engajadas no programa de fomento da Ambev são do Rio Grande do Sul. A ideia é incrementar a área plantada ano a ano até que o país se torne autossuficiente no fornecimento do grão. Para aumentar o número de produtores engajados no programa, a empresa oferece uma série de atrativos aos agricultores.

Uma das vantagens para o produtor é a garantia do valor que irá receber conforme a qualidade do produto final. Os participantes do programa de fomento da Ambev estão protegidos contra flutuações internacionais de preço, já que os valores pagos na colheita são acertados antes mesmo do plantio. E quando o grão cultivado não tem a qualidade necessária para a produção de cerveja, a companhia ajuda o agricultor a revender a safra para outras indústrias, como a de alimentação animal. Em 2016, cerca de 1600 famílias participaram do programa da empresa e receberam assistência técnica, em parceria com a Embrapa, e subsídios para compra de sementes e insumos para a produção de cevada. Para 2017, a meta é chegar a 2 mil famílias inscritas.

Além das vantagens econômicas, o cultivo da cevada no inverno representa benefícios para os produtores que optam pela soja como cultura de verão, já que o apresenta ganhos com relação à rotação de culturas e proporciona melhores condições de solo para o cultivo da soja no verão. A cevada também apresenta mais resistência à geada em relação a outras culturas de inverno e é favorecida por um clima seco e de frio constante.

Por isso, a meta da Ambev é intensificar a participação de famílias em regiões que apresentam melhores condições climáticas para o cultivo do grão e consequentemente melhor estabilidade, como a região dos campos do Campos de Cima da Serra, também chamada de Campos de Vacaria. Com os contínuos avanços tecnológicos e beneficiada por condições climáticas favoráveis, a safra de 2016 registrou uma produtividade com qualidade cervejeira recorde, que superou 3000 quilos por hectare.

Além da busca por regiões com clima e solo com características favoráveis e contínua qualificação da produção por meio de visitas técnicas às propriedades participantes, a cervejaria investe constantemente em novas técnicas de cultivo e novas cultivares. Em 2017, entrará em uso comercial uma cultivar pesquisada pela Embrapa em parceria com a Ambev, que apresenta maior produtividade, melhor qualidade para a produção cervejeira e maior resistência a doenças, o que reduz o uso de agroquímicos e torna o cultivo mais econômico e sustentável.

Para garantir a qualidade e a produtividade dos produtores engajados em seu programa de fomento, a Ambev desenvolve três iniciativas específicas: o Smartbarley, programa global para mapear as melhores práticas de produção de cevada, o Programa de Excelência de Distribuidores, que reconhece e estimula os melhores distribuidores de cevada do país, bem como Uruguai e Argentina, e o Radar, que, juntamente com a Agrária, alia informações meteorológicas de diversas microrregiões, para que os produtores possam tomar decisões quanto à época do plantio e colheita.