Petrópolis abre a 29ª Bauernfest

Números que dimensionam a festa: 130 mil litros de chope e oito toneladas de salsichão

 A expectativa da prefeitura é superar em 10% o número de público de 2017 (Foto: Divulgação)

A expectativa da prefeitura é superar em 10% o número de público de 2017 (Foto: Divulgação)

A partir das 19h desta sexta-feira (22 de junho) até o dia 1º de julho, Petrópolis (RJ) é um "burgo germânico". A 29ª Bauernfest ocupa o Palácio de Cristal e diversos outros pontos do Centro Histórico. A Festa do Colono Alemão deste ano está repleta de novidades, com a chegada das cervejas artesanais ao núcleo do evento, novos atrativos, Palco Brasil com transmissão dos jogos da seleção na Copa, expansão para Itaipava, entre outros. O evento deverá ter um consumo de 130 mil litros de chope e oito toneladas de salsichão.

A expectativa da prefeitura é superar em 10% o número de público do ano passado, quando Petrópolis recebeu mais de 320 mil pessoas no período da Bauernfest. Hotéis e pousadas do Centro Histórico já chegam a 80% de ocupação para os fins de semana da festa. Estamos confiantes de que a festa será um sucesso. É um evento que os petropolitanos abraçam, que gostam, e os turistas ficam encantados. Este ano lutamos para preservar ainda mais as tradições germânicas e principalmente que as empresas do núcleo da festa fossem da cidade, e conseguimos. Tenho certeza que o evento estará ainda melhor do que no ano passado.

Quem passa pelo Palácio de Cristal e pela Rua Alfredo Pachá já consegue observar a movimentação com a montagem do palco principal da festa e as barracas que vão receber comidas típicas alemãs, artesanato e, claro, muita cerveja. Nesta edição, após sancionada a lei que regulamenta a autorização do espaço que fica no entorno do Palácio (intramuros), para que receba apenas empresas petropolitanas, o núcleo do burgo alemão terá uma grande barraca, que será dividida entre as marcas de cerveja artesanal de Petrópolis. Os cervejeiros locais também vão fornecer a bebida para as barracas de comidas típicas que ficam no espaço dentro das grades do atrativo.

Entre os pontos altos da festa, além da gastronomia, estão os desfiles. Sucesso no ano passado, o Desfile de Lanternas fará parte novamente da programação, no feriado do dia 29 de junho, às 19h30min, saindo da Igreja Luterana, na Avenida Ipiranga, e terminando na Rua Alfredo Pachá. Nos dois domingos do evento, dias 24 de junho e 1º de julho, haverá desfile pelas ruas do Centro, a partir de 10h, com participação de famílias de descendentes dos colonos e grupos folclóricos.

A programação ainda vai contar com bandas, orquestras, danças, contação de história e oficinas gastronômicas. O diretor-presidente do Instituto Municipal de Cultura e Esportes, Leonardo Randolfo, destaca:

“É uma festa para homenagearmos a cultura germânica, que faz parte da vida de todos os petropolitanos. Essa herança que os colonos deixaram estão em nossos corais, nossa música, nossas danças, nossos sobrenomes, na alimentação, nas construções. Vivemos a cultura alemã no nosso dia a dia.”

A festa vai contar com 40 barracas, das quais 30 divididas entre alimentação, bebidas, souvenir e fotografia e 10 destinadas ao artesanato local, espalhadas pelos jardins do Palácio, pela Rua Alfredo Pachá, e a Praça da Liberdade. Do dia seguinte à abertura em diante, elas abrem a partir de 10h.

Para os amantes da cerveja, o concurso de chope a metro acontece todos os dias (exceto no dia da abertura) à noite, com a grande final no encerramento da festa. Já os que preferem os esportes poderão participar dos Jogos Germânicos, que acontecem na Praça da Liberdade, com diversas modalidades. Ainda nesse clima, o telão instalado no Palco Brasil, na Praça, vai transmitir os jogos da seleção brasileira na Copa do Mundo.

Após o período oficial da festa, Petrópolis este ano estará “vestida” de Bauernfest também nos distritos. O Parque Municipal, em Itaipava, vai receber a Jugendbauernfest, entre 5 e 8 de julho, com atrações musicais, danças folclóricas, comidas típicas, chope e cerveja artesanal. Com a palavra Jugend, que significa juventude em alemão,o objetivo é atrair os mais novos para ajudar a manter a preservação da tradição germânica na cidade.

Só de ônibus de turismo, Petrópolis espera receber mais de 450 veículos para esta edição da Bauernfest. Alta temporada do setor na cidade, por causa do friozinho da Serra e o período de férias, a cidade espera ocupar quase 100% dos leitos de seus hotéis e pousadas, principalmente durante os dois fins de semana da festa. Mais de uma semana antes da festa, a média da ocupação hoteleira mostra que hotéis e pousadas do primeiro distrito já estão com cerca de 80% dos leitos ocupados para os fins de semana de 23 e 24 de junho e 30 de junho e 1º de julho.No ano passado, a Bauernfest movimentou R$ 40 milhões em 10 dias de festa.

O secretário da Turispetro, Marcelo Valente, explica:

“Já temos reservas em hotéis para a festa desde o ano passado. Esse é um evento que muitos turistas aguardam por ele, recebemos pessoas do Brasil inteiro. Estamos trabalhando para dar ainda mais qualidade à festa esse ano e, com isso, aumentar os resultados. Mas temos certeza de que, novamente, a Bauernfest será um sucesso.”

A história

Os primeiros colonos germânicos chegaram a Petrópolis no dia 29 de junho de 1845. A data é comemorada com feriado na cidade. Os colonos trabalharam na construção da Estrada Velha da Estrela e no palácio de verão do Imperador, hoje Museu Imperial. Até hoje, Petrópolis respira a cultura germânica em suas construções, indústrias, gastronomia, costumes, danças e corais, nomes e ruas de bairros, entre outros. A cervejaria mais antiga do Brasil, a Bohemia, instalada na Cidade Imperial, foi fundada em 1853 por um colono.

A Bauernfest, criada para homenagear os imigrantes germânicos, é considerada a segunda maior festa do gênero no Brasil, perdendo apenas para a Oktoberfest, no Sul do país. A idealizadora, a descendente de quatro famílias germânicas Emygdia Hoelz, que é presidente do Clube 29 de Junho, parceiro da prefeitura na organização do evento, explica que, quando a festa surgiu, era chamada de Festival Germânico e alguns anos depois foi transformada em Bauernfest, que significa Festa do Colono, após a entrada da prefeitura na parceria do evento.

“A festa é uma homenagem aos colonos e também seus descendentes. Quando criei o primeiro evento, em 1983, tínhamos apenas três barracas – uma de comida salgada, outra de doce e uma de bebidas. Elas eram emprestadas da Igreja Luterana e transportávamos de carroça. Depois foi crescendo. Em 1989 o evento foi um sucesso, com a participação de uma banda austríaca com 47 componentes. No ano seguinte começou a parceria com a prefeitura e ela começou a ser chamada de Bauernfest, para tirar o nome em português e colocar um alemão. Naquela época, Petrópolis era uma cidade pacata, então a minha ideia era homenagear os colonos, mas também movimentar o município”, explica.

Hoje, a Bauernfest é o principal evento do calendário de festas da cidade. Só no ano passado, ela contou com 200 apresentações envolvendo cerca de 1 mil artistas de grupos folclóricos, bandas musicais, marciais, corais, grupos teatrais, entre outros. Mais de 320 mil pessoas acompanharam a festa.