Acerva Paranaense antecipa o Outubro Rosa

Campanha começa em 2 de setembro com brassagem de uma Witbier, em Curitiba

Campanha inclui uma série de atividades entre o início de setembro e o fim de outubro (Foto: Divulgação)

Campanha inclui uma série de atividades entre o início de setembro e o fim de outubro (Foto: Divulgação)

Entidade que congrega os cervejeiros caseiros, a Acerva Paranaense lança a 1ª Campanha Cervejeira do Outubro Rosa. A primeira atividade ocorre no sábado, dia 2 de setembro, a partir das 10h, quando as associadas Michele Winters e Ivonete (Bonnie) Zomer farão uma brassagem de uma Witbier com amoras na brew shop Homebrewers. A cerveja será envasada e distribuída na ação de 28 de outubro.

Em setembro, a Acerva Paranaense, com a distribuidora Taste Beers Cervejas Especiais, entrou em contato com algumas cervejarias de todo o Paraná, que aderiram à esta campanha e cederam um barril de chope, que serão vendidos nos principais bares da cidade. A diretoria da Acerva já tem a confirmação de pelo menos 12 cervejarias e 12 bares.

A cerveja doada será vendida no bar participante pelo valor de R$ 8 (half pint), de 2 a 27 de outubro. Os bares serão identificados com um banner na porta. A Acerva também promoverá um beer trip: todos os dias uma das coordenações estará em um bar, convidando associados, amigos e clientes a beber o chope da campanha. Serão distribuídos folhetos sobre a conscientização, bem como laços rosa serão distribuídos.

No dia 28 de outubro a campanha se encerra no bar Fermentaria, com uma nova brassagem. Nesse dia, a Acerva vai arrecadar doações de produtos de limpeza e de higiene. Quem doar receberá engarrafada a Witbier brassada em 2 de setembro.

Conforme a entidade, todo o valor arrecadado nos bares, bem como os produtos de limpeza e higiene, serão revertidos para duas casas de apoio aos doentes com câncer, em Curitiba (PR):

  • Casa de Maria - Avenida Comendador Franco, 2305, bairro Jardim das Américas
  • Associação Amigas da Mama - Rua Mauricio Caillet, 290, bairro Água Verde

A iniciativa está atrelada ao movimento mundial iniciado em 1990, quando a Fundação The Susan G. Komen Breast Cancer Foundation e distribuiu um laço rosa aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, iniciando, desde então, uma tradição — aplicada também no Brasil.

O laço rosa simboliza a luta contra o câncer de mama e funciona como um singelo lembrete - enquanto carregar ou ver o laço no peito de alguém, mulheres e homens devem lembrar-se de fazer o autoexame e, sempre que possível, a mamografia — devido à correria cotidiana de cuidar do trabalho, casa, cônjuge, pais e filhos (entre muitos outros fatores), a mulher (maior vítima deste tipo de câncer, mas também ocorre em homens) acaba esquecendo-se de cuidar de si.

Segundo dados da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), subordinada à Organização Mundial da Saúde (OMS/ONU), o câncer de mama é mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele, respondendo por cerca de 28% dos novos casos a cada ano. A última contagem oficial feita pela entidade foi em 2013 e, dentro da amostragem em 100 mil pessoas, 14.388 faleceram de câncer de mama, sendo 181 homens e 14.206 mulheres. Ainda, dados do Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva indicam que até o fim deste ano a estimativa de novos casos subam para 57.960 (2016 - INCA).

O autoexame da mama deve ser feito mensalmente, logo após o período menstrual. A frequência do toque permite que a mulher detecte mais rápido qualquer tipo de alteração e, quanto mais rápido for o diagnóstico, maior a chance de recuperação e do prolongamento da vida.