Cervejarias independentes geram mais emprego que as grandes

Artesanais são responsáveis por mais de 54% dos empregos gerados no segmento até outubro

Carlo Lapolli preside a Abracerva, que busca unir e fortalecer as microcervejarias (Foto: Bruno Dupon/Divulgação)

Carlo Lapolli preside a Abracerva, que busca unir e fortalecer as microcervejarias (Foto: Bruno Dupon/Divulgação)

Com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva) divulgou levantamento que mostra a força das pequenas cervejarias para a economia nacional. O número de cervejarias artesanais mais do que dobrou no Brasil nos últimos cinco anos – hoje são mais de 830 em atividade. E os dados do Caged mostram o quanto o setor está consolidado e contribuindo para a economia do país. Só de janeiro a outubro de 2018, 1.757 empregos foram gerados por cervejarias.

As empresas de pequeno porte – com até 99 funcionários – foram as que mais abriram vagas, totalizando 951, equivalente a 54,13% das oportunidades. O destaque vai para as cervejarias artesanais independentes com até quatro colaboradores, responsáveis por 800 novos postos de trabalho. Entre os estados, Minas Gerais liderou o ranking, com 278 vagas, seguido por Rio Grande do Sul (111) e Santa Catarina (92).

Já as grandes indústrias – acima de 100 funcionários – geraram 806 empregos no mesmo período. No geral, as unidades federativas que mais se destacaram foram São Paulo (563), Minas Gerais (382), Rio Grande do Sul (191), Goiás (156) e Rio de Janeiro (110).

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), Carlo Lapolli, esse resultado mostra a força do segmento e evidencia a atuação de empresas que estão iniciando ou se estruturando agora.

“O público está cada vez mais exigente com a qualidade dos produtos, o que acaba destacando as marcas independentes. Isso explica o aumento do consumo e, consequentemente, a produção e geração de empregos”, explica.

De acordo com ele, este número só tende a crescer:

“Estamos trabalhando para fortalecer o setor através de incentivos fiscais e, também, para dar novos espaços às cervejas artesanais. Acreditamos que isso, somado à qualidade do produto, consolidará ainda mais este segmento no país.”

Até setembro de 2018, o Brasil contava com 835 marcas independentes. A expectativa, segundo a Abracerva, é fechar o ano com mil empresas em operação.