Cervejas terão de detalhar no rótulo os ingredientes

Associação das cervejarias independentes comemora a introdução da norma

No rótulo, termos como “cereais não malteados ou maltados” passarão a ser insuficientes (Foto: Bruno Dupon/Divulgação)

No rótulo, termos como “cereais não malteados ou maltados” passarão a ser insuficientes (Foto: Bruno Dupon/Divulgação)

A partir de 6 de novembro de 2019, os rótulos de cerveja brasileira terão de informar claramente ao consumidor quais ingredientes compõem o produto. A instrução normativa publicada na última semana pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) segue uma sentença homologada em Goiás e nacionaliza a exigência. Cervejarias terão um ano para se adequar.

Na prática, termos como “cereais não malteados ou maltados” serão insuficientes. O cereal ou amido que compõem a cerveja deverá sem citado no rótulo em ordem decrescente de proporção. Ingredientes como arroz, trigo, milho, aveia, triticale, centeio e sorgo começarão a aparecer.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), Carlo Lapolli, estes itens são amplamente utilizados pelas multinacionais ligadas à cerveja.

“Com eles, é possível aumentar a produção em detrimento das características sensoriais do produto. E isso não ficava claro para o consumidor com a adição de termos que muitas vezes encobriam esses ingredientes”, explica.

Para a entidade, a normativa representa mais transparência para o consumidor.

“Agora, quem bebe a cerveja saberá exatamente o que há no seu copo”, diz o presidente.

Ainda segundo Lapolli, este é mais um impulso para o segmento de cervejas artesanais independentes, que cresce a passos largos no país. Até setembro deste ano, 156 novas fábricas se instalaram no Brasil, um aumento de 23% em relação a dezembro de 2017. Atualmente, 835 cervejarias estão em operação.

“Trabalhamos com um produto que tem mais valor agregado, com um processo que emprega mais pessoas e que se preocupa com a qualidade sensorial do que chega ao mercado. Com a normativa, o consumidor vai perceber isso antes mesmo da compra, ao olhar para os ingredientes explícitos no rótulo”, confirma.

Desde março de 2018, a Abracerva trabalha para disseminação do selo de Cervejaria Independente Brasileira. Criado para facilitar a identificação do consumidor de marcas verdadeiramente artesanais, o material já está em uso por mais de 200 cervejarias.

“Assim como essa normativa, queremos que o consumidor tenha ferramentas para identificar o que está levando pra casa”, destaca Lapolli.

Assim como os termos “cereais não malteados”, explica o executivo, expressões como “especiais”, “premium” e “puro malte” causam uma confusão entre cervejarias artesanais e linhas de fábricas comerciais.

"O principal beneficiado de todas essas iniciativas é o consumidor", finaliza.