Cervejarias

Um ano "revolucionário" para a Bodebrown

Em 2013, Samuel Cavalcanti celebrou 25 medalhes, inovações em cervejas, a vinda de nomes internacionais e um bem-sucedido projeto de turismo (Foto: Divulgação)

Em 2013, Samuel Cavalcanti celebrou 25 medalhes, inovações em cervejas, a vinda de nomes internacionais e um bem-sucedido projeto de turismo (Foto: Divulgação)

Ao fazer o balanço de 2013, a cervejaria curitibana Bodebrown enfileirou conquistas que dão motivo para o sorriso de Samuel Cavalcanti. Contabiliza 25 medalhas. Além das premiações, exibiu o prestígio de levar três grandes nomes internacionais para eventos na capital paranaense: os norte-americanos Greg Koch (da Stone Brewing), Doug Odell (da Odell Brewing), Chris White (do laboratório de leveduras WhiteLabs ) e o alemão Dominik Maldoner (mestre-Cervejeiro da Weyermann).

> BAIXAR A REVISTAiPad/iPhone ou Android

No campo das inovações, lançou as colaborativas Cacau IPA (com a Stone) e Rye IPA (com a Odell e WhiteLabs) e a Verum Rye Session, lançou “growlers” ‒ garrafas com tampas Flip-Top, para recarga de chope fresco direto na fábrica, com tamanhos de dois e três litros ‒ e foi bem-sucedida no turismo aliado à degustação de cervejas especiais, com o Bodebrown Beer Train (passeio de trem até a Serra do Mar, partindo de Curitiba).

A fábrica da paranaense Bodebrown (Foto: Divulgação)

A fábrica da paranaense Bodebrown (Foto: Divulgação)

A Bodebrown, com loja, fábrica e escola (Foto: Divulgação) 

A Bodebrown, com loja, fábrica e escola (Foto: Divulgação)