Saiba como o food design pode gerar valor

food-design

Ricardo Yudi, food designer e editor do blog da Beer Art, explica nova tendência da gastronomia

RICARDO YUDI

Ricardo-Yudi

Em 2013, reunimos um grupo de pesquisadores de diversas áreas (Gastronomia, Arquitetura, Design, Engenharia, Psicologia e Sociologia, entre outros) na Faculdade de Arquitetura de Montevideu e fundamos a rede Latinoamericana de Food Design.

"Todo projeto que melhore a relação entre o ser humano e o alimento".

Esta foi a melhor definição que encontramos para resumir o que seria Food Design e como impulsionar a área nos países de origem.

Embora esta rede tenha sido fundada há apenas três anos, as pesquisas em Food Design datam desde a década de 90. Atualmente existem diversas publicações sobre a temática, contando, inclusive, com um Journal.

Os exemplos de projetos baseados em princípios de Food Design estão por todos os lados. Aquele salgadinho com sabor de batata, vendido em tubos, foi projetado para se encaixar na anatomia da lingua humana. Uma espátula de silicone foi projetada para evitar o desperdício de alimentos, para não agredir superfícies antiaderentes e, de quebra, para suportar o calor envolvido no cozimento dos alimentos. Bacana, não?

Nesta coluna trarei exemplos sobre grandes projetos relacionados a Food Design e como você poderá se apropriar desta tendência e aplicar algumas ferramentas na criação ou adaptação de seus produtos, sejam eles cervejeiros ou não.

Falando nisso, a criação de uma cerveja é essencialmente um processo de Design de produto. Um projeto de cerveja parte de um princípio básico: atender a necessidade do usuário em consumir uma bebida. Esta bebida pode trazer emoções positivas e despertar outros interesses relevantes à marca, status, pertencimento entre outros.

Os estudos aprofundados desses usuários podem ser associados à metodologias do Design, Design Thinking e UX Design, entre tantas outras áreas. A diferença na caracterização daquilo que pode ser considerado (food) Design de fato é a presença de rigor científico aplicado e/ou registrado. Embora a área seja caracterizada pela utilização da criatividade na solução de problemas, isto não quer dizer que não existam métodos e protocolos que possibilitem a concepção e execução de um projeto.

A partir dos próximos posts apresentarei outros exemplos de projetos originados e executados através do olhar do Design. Entender o potencial destas ferramentas é o primeiro passo para pensar e agir diferente na busca por geração de valor a um sistema de produto e serviço. Por hora, fiquem com esta pergunta para qualquer tomada de decisões que encontrarem por aí: